O cantor Mariano, da dupla sertaneja Munhoz e Mariano, doou plasma sanguíneo no Hemosul de Campo Grande, em Mato Grosso do Sul, na manhã desta segunda-feira (15). A doação foi a primeira no estado voltada para uma pesquisa coordenada pela Universidade de São Paulo (USP) e parceiros, que consiste em utilizar o plasma de um pessoa curada da Covid-19 no tratamento de outros pacientes que estão com a doença.

O Hemosul (Hemocentro Coordenador de Mato Grosso do Sul) deu o pontapé inicial para o tratamento do coronavírus no Brasil: a primeira coleta para a utilização do plasma de pessoas que já contraíram o coronavírus para utilização nos casos mais graves da doença.

"É uma pesquisa importantíssima. Somos uma das unidades pioneiras para essa pesquisa de todo o país. Nós participaremos dessa importante iniciativa que comprova o compromisso do Governo do Estado em arrumar alternativas de enfretamento do coronavírus em Mato Grosso do Sul", ressaltou o secretário de saúde Geraldo Resende.

Para o artista sul-mato-grossense Mariano, participar deste processo representa um importante passo no combate à pandemia. "Quando eu peguei a doença, fiquei sabendo dos estudos e da pesquisa e já me prontifiquei de imediato. Assim que liberaram, já sabiam que eu tinha me prontificado a ajudar, me chamaram para ser o primeiro. Com isso, nós levamos a bandeira do Estado para todo o Brasil. Estou muito feliz em ser o primeiro". Mariano testou positivo para covid-19 no final de março.

Marli Vavas, coordenadora geral da Rede Hemosul-MS, explica a importância da iniciativa que partiu de um diálogo com a USP – Hemocentro de Ribeirão Preto. "É muito importante ter iniciado este trabalho em parceria com a USP-Hemocentro Ribeirão Preto e Fiocruz. Temos uma satisfação imensa em contribuir para um tratamento que poderá ser uma opção fundamental para o enfrentamento da Covid".

Sobre o estudo

O estudo é encabeçado pela Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (USP) e conta, em Mato Grosso do Sul, com a participação do Governo do Estado, por intermédio do Hemosul e Hospital Regional, além de outras instituições, como Hospital Universitário da UFMS, Hospital das Clínicas da USP e da Escola Paulista de Medicina da Unifesp (São Paulo).

Em Mato Grosso do Sul, o responsável é o infectologista Júlio Henrique Croda. O estudo conta ainda com a participação de outros profissionais como Benedito Antônio Lopes da Fonseca, Benedito de Pina Almeida Prado Jr, Dante Langhi Jr., Dimas Tadeu Covas, Eugênia Maria Amorim Ubial, Gil Cunha De Santis e Rodrigo Calado de Saloma Rodrigues.

O estudo pretende avaliar o impacto da transfusão de plasma de convalescente (pacientes recuperados) da Covid-19 em pacientes com quadro clínico grave dessa doença e vai trabalhar com a hipótese de que a transfusão de plasma de doador convalescente da Covid-19 poderá resultar em evolução clínica mais favorável e aumentar a taxa de sobrevida de indivíduos com acometimento grave pela doença.

Para testar a hipótese, serão tratados com plasma convalescente 40 pacientes com a forma grave da Covid-19 que terão seus desfechos comparados com grupo controle constituído de 80 pacientes com a mesma doença, com características e gravidade clínica semelhante. Cada paciente receberá uma dose aproximada de 10 ml/kg/dia de plasma convalescente (600 mL/dia para os adultos), por 3 dias consecutivos. Os participantes do estudo serão recrutados dentre os pacientes com infecção grave da Covid-19, tratados no Hospital Universitário da UFMS e no Hospital Regional de Mato Grosso do Sul.

Deixe seu Comentário